Utilização de microfones com sistemas sem fio

Embora os microfones modernos sejam robustos e confiáveis, eles podem falhar em caso de abuso, manuseio incorreto ou se forem submetidos a condições prejudiciais. Além disso, com o tempo, a utilização intensa e os efeitos acumulados do desgaste normal resultarão em perda de desempenho ou falhas. Com razoável cuidado e algumas precauções simples, a vida útil de um microfone pode ser bastante prolongada.

Devido à maneira como são usados, os transmissores de mão estão mais propensos a serem derrubados. Seu formato também permite que rolem em cima de mesas e outras superfícies, aumentando os riscos de queda. Tanto o elemento do microfone como os componentes eletrônicos do transmissor podem ser danificados em uma queda, mas os danos nos componentes eletrônicos tendem a ser um pouco mais freqüentes do que os danos no elemento. Embora uma pequena queda provavelmente não cause nenhum defeito, quedas de alturas maiores aumentam as chances de dano.
Mesmo que o elemento do microfone não apresente defeito, quedas sucessivas podem acabar afetando a qualidade do som. O choque causado pelas quedas também pode atrapalhar os ajustes dos componentes eletrônicos do transmissor, possivelmente resultando em redução do alcance ou má qualidade do áudio. Se um transmissor de mão sofrer uma queda grave, é recomendável ouvir atentamente o sistema sem fio para ter certeza de que a qualidade do som não foi afetada. Também vale a pena fazer um teste de alcance.

Devido ao formato e à maneira como são utilizados, os transmissores body-pack sem fio têm menos chances de serem derrubados. Seu peso menor também tende a reduzir as possibilidades de que uma queda resulte em defeito. Quedas graves, contudo, às vezes podem danificar o conector do microfone, principalmente se a queda ocorrer quando o microfone estiver conectado. Quanto aos microfones de lapela, eles são muito leves e quase nunca são danificados em uma queda.

Os cabos miniatura usados com os microfones de lapela podem ser danificados se forem puxados, esticados, dobrados de forma acentuada ou flexionados repetidamente. A maioria dos defeitos dos cabos ocorre no ponto em que eles entram no conector ou no corpo do microfone. Geralmente, a quebra de um cabo perto do conector pode ser reparada encurtando-se o cabo em 5 cm aproximadamente, a menos que ele se torne muito curto para ser utilizado. O cuidado adicional de evitar dobras acentuadas e flexionamento excessivo, especialmente perto do próprio microfone, será recompensado por uma vida útil mais longa e menos problemas. Com o tempo, porém, um cabo de microfone simplesmente se desgasta e não pode mais ser usado.

Em certas aplicações, como em aulas de aeróbica e em salas de concerto, é inevitável que o cabo do microfone esteja sujeito a constantes flexionamentos. Nessas circunstâncias, a escolha de um microfone com cabo ligeiramente maior e mais forte deve ser levada em conta. Sempre é uma idéia sensata ter um microfone sobressalente à mão, especialmente para aplicações desse tipo. Além disso, a vida do microfone será inevitavelmente mais curta do que em utilizações menos exigentes e o custo de microfones de reposição deve ser incluído no orçamento.

A menos que a aparência seja uma preocupação importante, a utilização de espumas de vento é recomendável no caso de transmissores sem fio de mão. Embora a espuma não ofereça muita proteção contra quedas, ela reduz bastante o ruído do vento e os "estalos" da voz. A espuma também ajuda a proteger o elemento do microfone contra a umidade e a manter limpa a tela metálica. As espumas de vento são menos necessárias para os microfones de lapela, a menos que o ruído do vento seja um problema ou as condições sejam muito úmidas.

As espumas de vento devem ser lavadas freqüentemente e secadas a ar. Quando não for mais possível limpar a espuma ao lavá-la, é necessário descartá-la e substituí-la por uma nova. A menos que se utilize sempre uma espuma de vento, as telas metálicas dos microfones de mão devem ser inspecionadas freqüentemente e lavadas quando necessário. Batom, maquiagem e saliva seca tendem a entupir as telas metálicas, assim como as espumas internas, se estas estiverem sendo usadas. Ao longo do tempo, a saída e a qualidade do som dos microfones de voz podem se degradar gradativamente se a tela não for mantida limpa.

Telas metálicas muito amassadas devem ser substituídas. Os amassados podem permitir que a boca chegue muito perto do elemento do microfone, aumentando o ruído dos estalos e alterando o som do microfone. A espuma de vento interna, se estiver sendo usada, também pode ser empurrada na direção do elemento, abafando o som e afetando o desempenho do microfone.

Os microfones e os transmissores e receptores sem fio devem ser protegidos contra umidade. Embora os microfones modernos não sejam particularmente sensíveis ao ambiente, a água ou o excesso de umidade podem causar corrosão e outros problemas, afetando tanto os elementos do microfone como os circuitos eletrônicos. A menos que seja necessário protegê-los do excesso de umidade, os microfones e transmissores não devem ser armazenados em sacos plásticos ou em compartimentos vedados após a utilização, pelo menos até que estejam completamente secos. Sempre deixe os equipamentos expostos ao ar após a utilização para permitir que a água, a transpiração e a saliva evaporem, em vez de ficarem presas dentro do equipamento.

Os microfones condensadores devem ser protegidos do excesso de umidade e de exposições prolongadas a altas temperaturas. Qualquer um desses fatores pode degradar permanentemente a sensibilidade e a qualidade do som após certo período. A transpiração é particularmente prejudicial, pois é corrosiva, deixa resíduos químicos nocivos e ataca os elementos dos microfones condensadores com a umidade. Quando os usuários forem transpirar em abundância, é altamente recomendável proteger os microfones da exposição direta, usando espumas de vento ou coberturas plásticas de proteção.

Retornar ao sumário