Solução de problemas de interferência

A interferência é uma questão incômoda e muitas vezes frustrante, especialmente quando os problemas são intermitentes ou quando parece que foram resolvidos mas voltam mais tarde. Os esforços para corrigir a interferência também são geralmente complicados, pelo fato de haver vários tipos de interferência e cada um exigir um tratamento diferente e uma diferente solução. Às vezes uma "solução rápida" resolve, mas na maioria das vezes não. A menos que o problema seja muito simples, a única abordagem realmente produtiva deve ser ordenada e sistemática, procurando primeiro encontrar a causa do problema específico para depois aplicar a ação corretiva. Esta seção discute Como evitar problemas básicos, Será que é mesmo o sem fio?, e Como identificar a interferência.

Como evitar problemas básicos
Às vezes, os problemas de interferência têm causas muito básicas. Para não perder tempo com um problema de fácil solução, verifique os itens a seguir antes de continuar:

  • Não permita que os radiotransmissores, inclusive o transmissor do sistema e os transmissores de outros sistemas sem fio, se aproximem mais do que 3 a 4,5 metros das antenas receptoras. Isso poderia sobrecarregar os receptores e aumentar as chances de interferência.

  • Não deixe que as antenas dos receptores se toquem ao organizá-los. Tome cuidado especial para que as antenas de um receptor não toque nas antenas de outro receptor nem se aproxime demais delas. Tente manter pelo menos 25 cm de separação entre as antenas de quaisquer dois receptores.

  • Verifique se as baterias de todos os transmissores estão boas. A baixa tensão de saída de baterias fracas pode fazer com que alguns transmissores gerem interferência danosa. Se tiver alguma dúvida, instale baterias novas e sem uso em todos os transmissores sem fio.

  • Se tiver um sistema "combinado" (de mão + body-pack) com dois transmissores na mesma freqüência, ou dois sistemas sem fio na mesma freqüência, não permita de maneira alguma que os dois transmissores sejam ligados ao mesmo tempo.

  • Verifique a configuração do controle de amortecimento do receptor. Uma configuração de amortecimento mais alta oferece maior proteção contra interferência. Entretanto, como uma configuração alta também pode causar redução no alcance de operação, configure o controle na posição mais baixa capaz de anular a interferência.

Será que é mesmo o sem fio?
Nem todo ruído nos sistemas de áudio sem fio se deve a interferência ou ao próprio equipamento sem fio. Como a interferência é um problema conhecido nos sistemas sem fio, é comum culpá-la por ruídos de áudio indesejados. Às vezes, porém, o problema real é outro. Por exemplo, estações de rádio AM podem introduzir ruído em um sistema de áudio através dos circuitos de entrada do mixer ou dos amplificadores. Como a interferência é nitidamente uma estação de rádio, é fácil chegar à conclusão precipitada de que ela vem do sistema sem fio. Reconhecer a causa real do problema pode ajudar a evitar esforços em vão para corrigir um problema inexistente no sistema sem fio.

O primeiro passo é determinar por onde a interferência está entrando no sistema de áudio. Tente o seguinte:


  • Verifique se o sistema sem fio está realmente com falha. Tente desligar momentaneamente os receptores sem fio e desconectar os cabos de áudio. Se o problema persistir com os receptores desligados e com os cabos desconectados, o distúrbio provavelmente está em outra parte do sistema de áudio, não no sistema sem fio.


  • Desligue todos os transmissores sem fio e verifique se os indicadores de sinal de todos os receptores apagam. Escute o sistema de áudio para descobrir se o problema ainda está presente. Se estiver, provavelmente o problema não é interferência de rádio, mas algum tipo de interferência não-relacionada ao sistema sem fio [1]. Se os indicadores de sinal não apagarem, pode haver problemas de amortecimento [2].


Se a interferência estiver presente somente quando o indicador de RF do receptor estiver ligado e se a possibilidade de que o ruído esteja entrando no sistema de áudio por outro local tiver sido eliminada, é provável que o sistema sem fio esteja sofrendo algum tipo de interferência externa.

Como identificar a interferência
O próximo passo é determinar qual tipo de interferência está ocorrendo. Há vários tipos de interferência, cada um com uma diferente causa e exigindo uma diferente solução. Infelizmente, as ações que visam a corrigir um problema podem surtir algum efeito mesmo quando não atacam a origem real do distúrbio. Isso faz com que se gaste tempo e esforço na direção errada e pode aumentar muito o nível de frustração. Entretanto, se o tipo de interferência que está realmente ocorrendo for conhecido, os esforços para corrigir o problema têm muito mais chance de serem bem-sucedidos.

As chaves para identificar o tipo de interferência que está presente são: observar as indicações do receptor e escutar atentamente o áudio. Um bom conjunto de fones de ouvido pode ser uma ferramenta muito útil para isolar e analisar problemas de interferência. Com os fones de ouvido, é fácil escutar um canal sem fio por vez, mesmo quando o sistema está em uso. Infelizmente, alguns problemas de interferência só aparecem em condições ao vivo, quando todos os equipamentos estão em uso.

Leia todas as descrições de problemas abaixo para encontrar a que corresponde aos sintomas que você está observando. Em seguida, clique nos links para ir até as sugestões de correção desse problema específico.


  • Se o principal problema de interferência ocorrer somente quando o transmissor do sistema sem fio estiver desligado, verifique primeiro se o controle de amortecimento do receptor está ajustado na metade de seu intervalo ou acima (consulte problemas de amortecimento [2]). Se estiver, pode haver um problema de interferência de baixo nível [3].

  • Se houver interferência quando o transmissor estiver desligado e se houver ruído ou distorção no áudio do receptor quando o transmissor estiver ligado, tente desligar todos os outros transmissores sem fio. Se o problema de interferência persistir, pode haver uma interferência de alto nível ou uma interferência de rádio direta. A interferência direta [4] é um problema sério e que precisa ser corrigido para que o sistema sem fio possa ser utilizado plenamente.

  • Se houver interferência quando o transmissor do sistema estiver ligado, mas se ela desaparecer quando os outros transmissores forem desligados, deve haver um problema de interferência de intermodulação [5].

  • Interferências que assumem a forma de tons de áudio de baixo nível, choramingos, sons de lamúria cuja intensidade varia rapidamente, vozes ou música audíveis (distorcidas ou não) são causadas provavelmente por interferência de intermodulação [5], interferência não-relacionada ao sistema sem fio [1] ou interferência direta [4].

  • Se houver interferência quando o transmissor do sistema estiver ligado e se ela for na forma de choramingos ásperos ou zumbidos, com uma cadência ou um ritmo definidos que mudam de tempos em tempos, o problema deve ser de interferência digital [6] As fontes prováveis incluem computadores, retardos digitais, processadores de efeitos, controladores de iluminação e outros equipamentos que usam microprocessadores e processadores de sinais digitais (DSPs).

  • Se não houver interferência quando o transmissor do sistema estiver desligado e se houver estalos irregulares, ruídos de estouro ou zumbido no áudio com o transmissor ligado, pode haver problemas de interferência elétrica. Esse tipo de interferência geralmente é causado por motores elétricos, luzes de neon, equipamentos de iluminação, eletrodomésticos e outros tipos de equipamentos elétricos. A interferência elétrica [7] normalmente afeta todos os sistemas sem fio de um local, não apenas um sistema.

  • Na realidade, um tipo de som de zumbido se deve à interferência de estações de TV. Se o zumbido mudar substancialmente a intervalos mais ou menos aleatórios e não parecer causado por equipamentos elétricos, o problema pode ser de interferência de TV [8].

  • A interferência que assume a forma de estouros de estática ou curtas explosões de ruído provavelmente é causada por descargas atmosféricas, arcos intermitentes ou máquinas elétricas defeituosas. Esse tipo de interferência aleatória [9] é bem raro, mas pode ser um dos mais difíceis de resolver.


Se nenhuma das descrições parece se adequar exatamente ao seu problema específico ou se as informações não estiverem claras, consulte Tipos de interferência. Seu revendedor também poderá oferecer auxílio e deve conhecer eventuais condições locais que possam estar causando o problema. Se o seu revendedor não puder ajudar, os proprietários de equipamentos sem fio da Audio-Technica podem entrar em contato com a Audio-Technica diretamente.

Interferência não-relacionada ao sistema sem fio [1]
Os sistemas de áudio podem ser afetados por interferência oriunda de estações de rádio AM, transmissores de TV, sistemas de radar e muitos tipos de equipamentos elétricos. Geralmente, a interferência entra no sistema de áudio através dos cabos de áudio no mixer (console), nos amplificadores de potência ou através das linhas de alimentação de AC. As estações de rádio AM são uma fonte comum de problemas, mas somente quando a estação é muito potente e está próxima. Mesmo com estações de 50.000 watts, é raro haver problemas se elas estiverem a mais de 1,5 a 3 km de distância. Estações de TV de alta potência podem causar problemas a 3 km ou mais de distância. Às vezes, as estações de TV UHF são muito potentes (500,000 watts ou até mais) e podem causar interferência até 6 a 8 km.

As interferências de rádios AM geralmente resultam na presença de fala ou música distorcida no áudio. As interferências de estações de TV geralmente assumem a forma de um zumbido que muda de intensidade de tempos em tempos. Quando a interferência é de AM, é fácil rastrear a estação específica que a está causando, simplesmente sintonizando um rádio AM nas estações locais. A interferência de TV pode ser identificada assistindo aos canais locais e prestando atenção nas variações audíveis que coincidam com as mudanças de cena na TV. É importante lembrar que o problema é com o equipamento de áudio; é muito pouco provável que haja algum defeito na estação de rádio ou de TV.

Sistemas de radar, como em aeroportos, bases militares e estações meteorológicas, às vezes afetam os sistemas de áudio. A interferência causada por radar geralmente assume a forma de zumbidos de alta intensidade ou aumentos repentinos de ruído que ocorrem de poucos em poucos segundos. Muitos radares de alta potência giram algumas vezes por minuto e causam interferência somente quando estão apontados na direção do sistema de áudio. Da mesma maneira que a interferência de rádio AM e TV, a interferência de radar costuma ocorrer somente quando o radar está bem perto, geralmente a não mais do que 1,5 a 5 km de distância.

Às vezes, esses tipos de interferência podem ser difíceis de eliminar. Melhorar o aterramento dos equipamentos às vezes ajuda, principalmente quando o único terra está no painel elétrico, a certa distância. Também pode ser útil acrescentar blindagem ou filtros aos cabos de áudio nos pontos de entrada dos equipamentos, especialmente mixers e amplificadores de potência. Enrolar os cabos de áudio e adicionar filtros de ferrite nos conectores dos cabos pode ajudar. Alguns equipamentos podem não ter filtros adequados em seus circuitos de entrada. Geralmente, a melhor fonte de informação é o fabricante do equipamento; a maioria é capaz de oferecer algum suporte.

A interferência também pode entrar nos sistemas de áudio através das linhas de alimentação AC. Às vezes, esse é o caminho percorrido pela interferência a partir dos transmissores de broadcast e de radar. A interferência elétrica de máquinas pesadas, equipamentos de iluminação e outros equipamentos elétricos podem viajar ao longo das linhas de alimentação. Isso pode ocorrer principalmente perto de áreas industriais onde haja soldadores a arco, grandes motores, controladores elétricos de alta potência e equipamentos similares em operação. Esse tipo de interferência pode assumir muitas formas, mas os mais comuns são zumbidos na freqüência da linha de alimentação e em suas harmônicas, aumentos repentinos de ruído aleatório e ruídos de estática.

Equipamentos de áudio de diferentes fabricantes, e até mesmo diferentes modelos de um mesmo fabricante, podem variar muito em sua capacidade de rejeitar interferência. Às vezes, a solução mais simples e rápida para um problema de interferência é simplesmente trocar o equipamento problemático por outro que seja mais robusto. Quando o sistema de áudio for ficar próximo de transmissores de alta potência ou de equipamentos elétricos pesados, é sensato levar em conta a possibilidade de interferência ao planejar a compra dos equipamentos. Um arranjo que permita trocar equipamentos se ocorrer algum distúrbio pode evitar a necessidade de recorrer a soluções mais demoradas e caras.

Problemas de amortecimento [2]
Se o indicador de RF do receptor não apagar quando o transmissor do sistema for desligado, pode estar ocorrendo interferência de baixo nível. A fim de testar a fonte da interferência, primeiro marque a posição do controle de amortecimento no receptor e, em seguida, ajuste o controle no máximo (girando até o final em sentido horário). Se o indicador de sinal não apagar com o controle de amortecimento no máximo, é provável que esteja ocorrendo interferência grave.

Se o indicador de sinal apagar no ajuste máximo do amortecimento e se ainda for possível ouvir interferência no sistema, é provável que o principal problema não esteja no sistema sem fio. Entretanto, também pode haver um problema de interferência de baixo nível menos grave no sistema sem fio. Não esqueça de voltar o controle de amortecimento a sua posição original quando o teste estiver concluído, ou o alcance do sistema pode ficar consideravelmente reduzido.

Geralmente, ainda será possível ouvir interferência não-relacionada ao sistema sem fio [1] quando o receptor estiver amortecido. A interferência de baixo nível [3] é relativamente comum quando da utilização de sistemas de microfone sem fio, mas não é necessariamente um problema grave.

Interferência de baixo nível [3]
A maioria das freqüências de rádio são compartilhadas entre muitos usuários diferentes. Além disso, muitos tipos de equipamentos eletrônicos, como televisores, videocassetes, receptores de rádio, computadores e periféricos, dispositivos de processamento de sinais e todos os tipos de equipamentos de comunicação podem gerar pequenas quantidades de energia de radiofreqüência (RF) de forma não-intencional. Conseqüentemente, quase sempre há sinais fracos de rádio presentes em qualquer freqüência que possa ser usada por um sistema de microfone sem fio.

Na maior parte do tempo, esses sinais são fracos demais para afetar o sistema sem fio, principalmente quando o transmissor está ligado e o sistema está em operação. Entretanto, se o transmissor estiver desligado, às vezes há sinal suficiente para operar os circuitos de amortecimento do receptor. Quando isso acontece, o resultado é um sinal de áudio indesejado produzido pelo receptor, geralmente na forma de estática e ruído alto. A menos que o sinal interferente seja forte, ele não afetará a qualidade do áudio de maneira significativa quando o transmissor estiver ligado.

É importante levar em consideração que o receptor está fazendo mais ou menos o que foi projetado para fazer: receber um sinal de rádio em uma determinada freqüência. Como o transmissor sem fio está desligado, o sinal acaba não sendo o desejado e é considerado "interferência". Há pelo menos três soluções possíveis para esse problema: ajustar o controle de amortecimento do receptor até que o sinal fraco deixe de ser recebido, usar um sistema sem fio que tenha circuitos especiais para redução da possibilidade de áudio indesejado ou operar o sistema de uma maneira que evite o problema.

A maioria dos receptores sem fio da Audio-Technica tem um controle de ajuste do amortecimento. Conforme esse controle é aumentado (no sentido horário), o sinal de rádio precisa ser cada vez mais forte para abrir os circuitos de amortecimento e deixar o áudio passar. Geralmente, é possível encontrar um ponto em que o sinal interferente fraco não consegue mais abrir o circuito de amortecimento e a interferência some. Infelizmente, o aumento do controle de amortecimento também reduz o alcance máximo do sistema sem fio. Isso porque um ajuste de amortecimento mais alto, ou mais "apertado", exige um sinal de rádio mais forte para a passagem do áudio, incluindo o sinal do transmissor do sistema. Para evitar a redução do alcance, não gire o controle de amortecimento mais alto do que o absolutamente necessário para eliminar a interferência.

Alguns sistemas sem fio incluem circuitos especiais para reduzir as chances de que os circuitos de amortecimento do receptor deixem passar áudio indesejado. Embora não sejam infalíveis, esses circuitos especiais reduzem muito as chances de que ruídos indesejados consigam passar quando o transmissor estiver desligado. Entretanto, os circuitos especiais não podem fazer nada para reduzir os efeitos da interferência quando o transmissor estiver ligado, e o áudio pode continuar com ruído ou distorção.

É possível evitar os efeitos da interferência de baixo nível simplesmente emudecendo o áudio do receptor sem fio quando o transmissor não estiver ligado. Para evitar que a interferência de baixo nível se torne um problema, o ideal é usar o sistema da seguinte maneira: primeiro, ligar o transmissor; em seguida, acionar o áudio e usar o sistema; finalmente, emudecer o áudio e desligar o transmissor. Em todo caso, sempre é uma boa idéia emudecer o áudio do sistema sem fio quando ele não estiver sendo usado, pois sempre há pelo menos uma pequena chance de algum tipo de interferência.

Interferência direta [4]
A interferência direta ocorre quando há outro sinal forte de rádio na freqüência usada pelo sistema sem fio. Dependendo da força do sinal interferente, o efeito pode variar desde tons fracos, assobios e choramingos no áudio até tons muito altos ou ruídos desagradáveis que tornam o sistema sem fio completamente inutilizável. A interferência direta também pode causar outros problemas de áudio, como ruído excessivo, distorção, variações inesperadas de volume e mudanças na qualidade e na característica do som.

Há várias fontes possíveis de interferência direta em sistemas sem fio, como outros sistemas sem fio, transmissores de TV, transmissores de comunicações e saídas espúrias de equipamentos de comunicações, computadores, dispositivos digitais e equipamentos industriais. A fonte de interferência pode estar transmitindo intencionalmente um sinal para utilização por outro tipo de receptor ou a transmissão pode ser não-intencional ou acidental. De qualquer maneira, quando o outro sinal de rádio estiver presente, o sistema sem fio terá problemas.

Os transmissores de TV são muito potentes e podem afetar os sistemas sem fio a 160 km de distância ou mais. Ao notar alguma interferência, uma das primeiras coisas a fazer é determinar se a freqüência sem fio está em um canal de TV utilizado na área. Qualquer freqüência sem fio dentro de um canal local de TV com largura de 6 MHz está sujeita a interferência grave.

Mais freqüentemente do que se imagina, os problemas de interferência se devem a outro transmissor sem fio no mesmo local. Pode ser o outro transmissor de um sistema "combinado" que tenha transmissores de mão e body-pack ou pode ser o transmissor de outro sistema sem fio. Muitas vezes, não se sabe sobre a existência do segundo sistema sem fio, talvez porque ele esteja em outro recinto ou em outro edifício. Pode ser difícil manter um controle sobre os sistemas sem fio, sobretudo em situações em que os visitantes trazem seus próprios equipamentos sem fio.

O outro sistema sem fio também pode estar consideravelmente longe. A interferência é possível a distâncias de até 900 m, ou até mais sob certas condições. Ao encontrar uma interferência, deve-se fazer uma verificação cuidadosa para ver se há algum sistema sem fio na mesma freqüência no local. Também é aconselhável verificar a área próxima para ver se há outros sistemas sem fio em operação, se isso for possível. O sistema sem fio interferente pode estar em outra parte do edifício ou em um edifício próximo, talvez até a duas ou três quadras de distância.

Também é necessário verificar se há outros transmissores sem fio em freqüências próximas à do sistema que está recebendo a interferência. Para maior segurança, é melhor que as freqüências de dois sistemas sem fio quaisquer estejam afastadas pelo menos 1 MHz. Dependendo do tipo de equipamento, pode ser seguro utilizar freqüências mais próximas. O melhor teste é simplesmente desligar o outro transmissor e observar se a interferência some. Se sumir, as freqüências estão muito próximas. Tenha em mente que a separação de freqüências necessária aumenta conforme o transmissor interferente se aproxima das antenas dos receptores.

Outros tipos de transmissores podem causar interferência. Um teste rápido é verificar se a freqüência sem fio não é o dobro da freqüência de alguma estação local de rádio FM. Os transmissores FM geram uma pequena quantidade de energia harmônica que pode afetar os receptores sem fio. Transmissores de rádio bidirecionais próximos podem afetar os sistemas sem fio. Outros tipos de transmissores e sistemas de comunicações podem ter saídas espúrias que chegam perto das freqüências dos microfones sem fio.

Os sistemas de TV a cabo geralmente usam quase todos os canais de TV. Se houver um sistema desse tipo por perto, é possível que esteja ocorrendo vazamento de energia de rádio em um canal de TV que se supunha não estar sendo usado na região. Da mesma forma, televisores, videocassetes, miniantenas de satélite e outros equipamentos de TV e vídeo podem causar interferência no sistema sem fio. Telefones sem fio e outros dispositivos semelhantes também podem ser fontes de interferência. Quase todo dispositivo eletrônico que produza ou utilize energia de rádio tem potencial para ser uma fonte de interferência, especialmente se estiver próximo das antenas do receptor.

Computadores e dispositivos digitais podem causar interferência direta. A maioria dos computadores e dispositivos digitais deixa vazar pelo menos uma pequena quantidade de energia de rádio, geralmente suficiente para afetar um receptor sem fio nas proximidades.

Claro que é praticamente impossível ter conhecimento de todas as freqüências presentes em um determinado local. Sabendo disso, o melhor a fazer é, primeiramente, eliminar as causas mais óbvias de interferência e, em seguida, tentar eliminar todas as outras possibilidades restantes, uma a uma. O procedimento recomendado é o seguinte:


  • Confirme novamente que se trata realmente de interferência direta. Em caso afirmativo, a interferência quase sempre estará presente (de diferentes formas) tanto com o transmissor do sistema ligado como desligado.

  • Certifique-se de que dois transmissores sem fio na mesma freqüência não serão ligados ao mesmo tempo.

  • Verifique se a freqüência sem fio não está em um canal de TV utilizado no local.

  • Verifique se há sistemas sem fio dentro de aproximadamente 1 MHz da freqüência do sistema que está sofrendo interferência.

  • Verifique outras fontes externas óbvias, principalmente uma harmônica de um transmissor de rádio FM, sistemas de TV a cabo e qualquer tipo de radiotransmissor.


Uma vez feito isso, tente desligar outras possíveis fontes de interferência uma a uma. Se não for possível, tente testar se há interferência quando o equipamento está normalmente sem alimentação. Preste especial atenção a equipamentos de comunicação e TV, como dispositivos de TV a cabo, telefones sem fio e equipamentos de rádio bidirecionais. Também verifique com cuidado computadores, impressoras, processadores de efeitos, controladores de iluminação e outros dispositivos digitais. Observe a atividade na área e tente determinar se as alterações na interferência correspondem a eventos específicos ou a certas atividades.

Às vezes, a causa da interferência mostra-se extremamente difícil de ser identificada. Em outros casos, a causa se torna conhecida, mas é impraticável corrigir o problema na fonte. Nessas situações, geralmente é mais simples e rápido mudar a freqüência do sistema sem fio.

Se a freqüência do sistema sem fio for alterada, as informações recolhidas durante a busca da interferência serão muito úteis e poderão reduzir enormemente as chances de se encontrar outra freqüência problemática. Em particular, elas permitirão selecionar uma nova freqüência que evite os canais locais de TV, outras freqüências sem fio no local e outras freqüências problemáticas identificadas. Essas são as fontes mais prováveis de interferência; portanto, sua eliminação reduz muito as chances de outros problemas.

Interferência de intermodulação [5]
A interferência de intermodulação é gerada no receptor sem fio pela combinação de dois ou mais sinais de interferência fortes. Diferente da interferência direta, não é necessário que os sinais interferentes estejam em freqüências próximas à freqüência do sistema sem fio. Com a intermodulação, os sinais interferentes se misturam no receptor sem fio para criar um sinal interno que fica próximo à freqüência do receptor. Em seguida, esse sinal gerado internamente interfere na operação normal do sistema sem fio.

A intermodulação geralmente é causada por sinais de outros sistemas sem fio presentes no local ou por sinais de TV. Freqüentemente, o sinal de um transmissor sem fio se combina com um sinal forte de TV para criar interferência em outro sistema sem fio. Como os sinais podem se combinar de maneiras complicadas, raramente é possível olhar para uma lista de freqüências e determinar as que causarão problemas de intermodulação. Além disso, a probabilidade de que um determinado conjunto de sinais cause interferência grave depende muito de sua força.

A quantidade de intermodulação produzida em um receptor por sinais externos aumenta rapidamente conforme eles se tornam mais fortes. A intermodulação também requer a presença de dois sinais interferentes; a remoção de qualquer um deles ou a redução significativa de seu nível geralmente elimina o problema. Essas são duas das razões por que é aconselhável manter todos os transmissores afastados pelo menos de 3 a 4,5 m das antenas dos receptores. Se houver suspeita de interferência de intermodulação, uma das primeiras coisas que devem ser tentadas é mover todos os transmissores para mais longe dos receptores.

Um teste rápido para a interferência de intermodulação é simplesmente desligar os outros transmissores na área um a um. Muito freqüentemente, percebe-se que o desligamento de um determinado transmissor elimina completamente o problema. Nesse caso, é muito provável que o problema seja causado por intermodulação. Também deve ser observado que a intermodulação funciona nas duas direções: se um determinado transmissor sem fio interfere em um receptor sem fio, é provável que o segundo transmissor também interfira no receptor do primeiro sistema. Se isso ocorrer, é praticamente certo que o problema é de intermodulação.

Quando a intermodulação estiver sendo causada por sinais de TV e outras fontes externas, pode não ser possível desligar ou reposicionar as fontes. Às vezes, o receptor sem fio pode ser recolocado em outra posição onde um ou ambos os sinais interferentes sejam mais fracos, reduzindo os efeitos da interferência. Isso raramente resolve o problema, mas é uma boa indicação de que o problema é devido à intermodulação.

Em geral, para que os problemas de intermodulação sejam resolvidos, é necessário que uma das freqüências envolvidas seja alterada. Entretanto, às vezes é possível mudar a operação de um sistema de áudio para evitar combinações de transmissores sem fio que causam intermodulação, pelo menos se todos os transmissores não precisarem ficar ligados ao mesmo tempo. A maioria dos tipos de intermodulação envolve três freqüências: duas freqüências de transmissão e uma freqüência de recepção. A alteração de qualquer uma das três corrige o problema.

Interferência digital [6]
Existem dois tipos gerais de interferência digital: aquela devida aos osciladores dos "relógios" de computadores, periféricos e outros dispositivos digitais e a que é causada pelo processamento em um dispositivo digital. O primeiro tipo é apenas outra forma de interferência direta, causada pelo vazamento de sinais de rádio na freqüência do relógio digital ou algum múltiplo dela. Em geral, a interferência assume a forma de um tom contínuo, normalmente com nível bem baixo, no áudio do receptor.

O segundo tipo de interferência digital tipicamente assume a forma de um tom ou choramingo áspero ou zumbido, normalmente com alterações ocasionais da característica do som. Freqüentemente há a presença de um ritmo ou cadência definidos. Em alguns casos, a interferência digital pode resultar em um alto nível de ruído no áudio, incluindo sons de assobio e barulhos de fritura. Pode não haver nenhum tom detectável envolvido.

Esse tipo de interferência é causado pela operação do processador interno (ou processador de sinais digitais) do dispositivo. A interferência não é necessariamente um múltiplo da freqüência do relógio; em vez disso, pode estar relacionada à taxa na qual as instruções estão sendo processadas. O nível e a característica da interferência podem variar enormemente com o tipo e a quantidade do processamento que está ocorrendo, e a interferência pode desaparecer completamente se o dispositivo digital não estiver processando ativamente.

Geralmente, é relativamente fácil identificar a interferência digital. Os sinais envolvidos não são fortes e raramente afetam sistemas sem fio a distâncias maiores que cerca de 2 m. O som da interferência digital também é relativamente singular; portanto, é bastante fácil reconhecê-lo. Além disso, geralmente é possível testar se há interferência de um dispositivo específico inserindo novas instruções, iniciando um novo programa ou simplesmente desligando-o momentaneamente.

Geralmente, também é relativamente fácil resolver a interferência digital. Afastar o dispositivo digital do receptor sem fio e de suas antenas, às vezes somente 20 cm, muitas vezes já resolve o problema. Também pode ser útil separar os cabos de alimentação e de sinal do dispositivo digital dos cabos do receptor sem fio. Em alguns casos, a interferência pode estar percorrendo o cabo de alimentação do receptor e será necessário alimentar uma das unidades a partir de outra fonte ou instalar um filtro de linha.

Se essas medidas simples não surtirem efeito, é provável que a unidade digital esteja com algum tipo de defeito. As regulamentações governamentais limitam rigorosamente a quantidade de energia de rádio espúria que tais equipamentos podem produzir; eles não podem causar interferência grave, a menos que haja um defeito significativo. Em tais casos, quase sempre é necessário corrigir o problema na fonte, já que mudar a freqüência do sistema sem fio nem sempre surte efeito. Obviamente, em geral é possível resolver os problemas mais persistentes afastando o receptor sem fio da unidade digital alguns metros e reposicionando os cabos.

Interferência elétrica [7]
Esse tipo de interferência é gerado por equipamentos elétricos, especialmente letreiros de neon, controladores de iluminação e reguladores de luminosidade, motores elétricos com escovas, controladores de velocidade de motores e vários tipos de equipamentos de alta tensão. Na maior parte dos casos, a interferência é causada por equipamentos gastos, com defeito, manutenção precária ou instalados incorretamente. Equipamentos elétricos em boas condições raramente criam problemas de interferência. Em alguns casos, porém, equipamentos mais antigos podem ter sido projetados e fabricados sem nenhuma preocupação com a interferência que poderiam causar e podem ser problemáticos.

Os letreiros de neon são uma causa bem conhecida de interferência elétrica. Normalmente, letreiros construídos e instalados corretamente não geram interferência significativa, a menos que estejam próximos das antenas do sistema sem fio. Entretanto, letreiros de neon antigos, com manutenção precária ou com material de isolação sujo ou quebrado podem produzir interferência pesada. Os letreiros de neon com regulagem de luminosidade podem ser um problema à parte. Luzes fluorescentes defeituosas, incluindo as com tubos gastos, podem gerar uma quantidade substancial de interferência. Lâmpadas fluorescentes conectadas a reguladores de luminosidade, os próprios reguladores e instalações com lastros eletrônicos também são fontes freqüentes de problemas.

Motores elétricos com escovas são outra fonte comum de interferência. Aí estão incluídos muitos eletrodomésticos e ferramentas, como aspiradores de pó, liquidificadores e processadores de alimentos, furadeiras elétricas e outras ferramentas com motores de velocidade variável. Controladores de motores e de iluminação, sobretudo unidades mais antigas de controle de iluminação de cena, são causas freqüentes de interferência elétrica. Relés gastos ou defeituosos, principalmente relés de partida de motores e contatores de alta potência, podem causar interferência durante a comutação.

Além dos letreiros de neon, outros tipos de equipamentos de alta tensão podem ser fontes de interferência. Dentre eles, televisores gastos ou defeituosos, equipamentos de raios X, certos tipos de equipamentos de iluminação e vários tipos de equipamentos industriais. Na maioria dos casos, a interferência é gerada por arcos voltaicos causados por isolação defeituosa ou com vazamento. Os arcos também podem ser um problema em equipamentos de tensão mais baixa. Contatos frouxos, fios quebrados, isolação trincada e outros defeitos podem não apenas causar séria interferência, mas também significar um risco de segurança significativo.

Geralmente, é bem fácil reconhecer a interferência elétrica. A maioria das formas causam zumbidos característicos em freqüências relacionadas à freqüência da linha de alimentação de 60 Hz. Os arcos voltaicos têm um som característico de fritura ou crepitação que normalmente pode ser prontamente identificado. Motores com velocidade variável podem ser diferenciados pelas suas mudanças de velocidade e pelo som de choramingo característico. Freqüentemente, a interferência pode estar relacionada a algum evento, tal como alteração da iluminação, operação de um equipamento específico ou tremulação de uma lâmpada. Na realidade, essa costuma ser uma das maneiras mais rápidas para determinar a causa de um problema.

Quando ocorrer interferência elétrica, o primeiro passo deve ser procurar as fontes mais prováveis. Isso inclui letreiros de neon, lâmpadas fluorescentes que apresentam tremulação ou redução da luminosidade, controladores de iluminação, dispositivos com motores de velocidade variável e equipamentos de alta tensão. Se isso não revelar o problema, o próximo passo é tentar relacionar a interferência a um evento específico, tal como a operação de uma determinada máquina (como equipamento de ar condicionado), a utilização de uma determinada lâmpada ou de um determinado grupo de lâmpadas, ou uma atividade específica. Se possível, desligue os equipamentos suspeitos momentaneamente para ver se a interferência desaparece.

É possível que a causa da interferência seja externa. Neste caso, pode ser possível isolar a causa observando a atividade nas proximidades, determinando a hora do dia em que a interferência ocorre e procurando eventos relacionados, como flashes de luz ou ruídos. Se estiver relativamente certo de que a fonte do ruído é interna, mas não for possível localizá-la, é recomendável solicitar que um eletricista faça uma verificação minuciosa do sistema elétrico do edifício.

Se a fonte da interferência for um letreiro de neon, luzes fluorescentes, um motor com ruído, arcos de alta tensão ou outra causa semelhante, muito provavelmente será necessário corrigir o problema na fonte. Em outros casos, pode ser possível simplesmente reparar ou substituir a unidade defeituosa que está causando a interferência, reposicioná-la mais longe das antenas sem fio ou providenciar para que ela seja desligada quando o sistema sem fio estiver em uso.

Se a fonte da interferência não puder ser identificada, mas não for grave, há vários passos que podem ser seguidos para reduzir seus efeitos. Aumentar a quantidade de sinal disponível para o receptor sem fio geralmente faz com que ele rejeite as interferências externas com mais facilidade. Mover o receptor para mais perto do transmissor ou usar antenas remotas que possam ser posicionadas mais próximas ao transmissor geralmente são medidas que ajudam muito. Porém, não coloque o transmissor a uma distância menor do que cerca de 3 m das antenas do receptor, pois isso pode aumentar o risco de interferência de intermodulação.

Em alguns casos, a interferência entra no receptor sem fio através das linhas de alimentação AC. Descarregadores de surto de boa qualidade com filtros de RF eficientes às vezes podem impedir a interferência nessa situação. Observe que a maioria dos "descarregadores de surto" tem pouca ou nenhuma filtragem; somente os modelos de luxo, especificados para incluir filtros de interferência de RF e ruído, têm capacidade de ser realmente eficientes. Melhorar o aterramento, principalmente quando o painel de energia principal estiver a uma distância considerável, geralmente é de grande ajuda. Soluções mais sofisticadas contra interferência nas linhas de alimentação AC incluem transformadores de isolamento, condicionadores de potência e certos tipos de sistemas de alimentação sem interrupção (unidades UPS ou no-break).

A melhora do projeto dos equipamentos e uma maior preocupação quanto à interferência têm tornado a interferência elétrica muito menos comum do que no passado. Agora, quando ela ocorre, a causa é, na maioria dos casos, um equipamento defeituoso. Devido aos potenciais riscos elétricos e de incêndio associados à interferência elétrica, vale a pena investigar as suas causas, mesmo que ela não apresente um sério problema aos sistemas sem fio.

Interferência de canais de TV [8]
A interferência devida a sinais de TV às vezes pode ser parecida com a causada por sistemas elétricos. Uma transmissão de imagem de TV carrega um sinal forte de 30 Hz para o componente vertical da imagem. O sinal de 30 Hz é rico em harmônicas e pode ter um som semelhante a muitos tipos de interferência elétrica [7], que ocorrem a 60 Hz e em suas harmônicas (nos EUA, no Brasil e em outros países). Isso pode causar confusão, já que a interferência de canais de TV normalmente é resultante de intermodulação [5] ou interferência direta [4].

A interferência de canais de TV geralmente pode ser diferenciada da interferência elétrica pelo fato de que a qualidade do som muda conforme a cena transmitida muda. A alternância entre uma cena escura e uma cena clara pode ser facilmente percebida. Geralmente, é possível determinar qual canal de TV está causando a interferência prestando atenção na interferência, ao mesmo tempo em que se percorre os canais locais em um televisor.

Interferência aleatória [9]
A interferência aleatória, como o nome indica, é resultado de eventos elétricos aleatórios de alta energia. Exemplos típicos incluem descargas atmosféricas, arcos voltaicos em linhas de alimentação atingidas pelo vento, fagulhas em linhas alimentadoras de locomotivas elétricas, solda a arco e máquinas elétricas pesadas defeituosas. O ruído das velas de ignição dos carros costumava ser uma importante fonte de interferência aleatória, mas os sistemas de ignição modernos raramente causam problemas. Esse tipo de interferência aparece como breves explosões de ruído de vários tipos, como trovões, estalos, cliques e zumbidos. O distúrbio elétrico quase sempre ocorre ao longo de uma ampla faixa de freqüências de rádio.

Raramente é possível corrigir esse tipo de interferência na fonte. As mudanças de freqüência normalmente são ineficazes, devido à ampla faixa de freqüências da interferência. Entretanto, esse tipo de interferência diminui de intensidade conforme a freqüência aumenta; então, os sistemas sem fio UHF têm menos probabilidade de ser afetados com gravidade. A qualidade do receptor sem fio é outro fator; projetos de receptores mais sofisticados geralmente oferecem melhor rejeição contra a maioria dos tipos de interferência elétrica.

Há outras medidas que podem ser tomadas para reduzir os efeitos da interferência aleatória. Aumentar a quantidade de sinal disponível para o receptor sem fio contribui para que ele rejeite as interferências externas com mais facilidade. Mover o receptor para mais perto do transmissor ou usar antenas remotas que possam ser posicionadas mais próximas ao transmissor geralmente são medidas que ajudam muito. Porém, não coloque o transmissor a uma distância menor do que cerca de 3 m das antenas do receptor, pois isso pode aumentar o risco de interferência de intermodulação.

Em alguns casos, a interferência aleatória entra no receptor sem fio (ou em outra unidade do sistema de áudio) através das linhas de alimentação AC. Isso pode ocorrer na forma de ruído de radiofreqüência (RF), como surtos elétricos, picos de tensão ou aumentos repentinos de ruído. Descarregadores de surto de boa qualidade com filtros de RF eficientes podem reduzir muito os efeitos da interferência aleatória em muitas situações. Além disso, podem proteger os equipamentos dos danos causados por descargas atmosféricas e surtos de tensão. Observe que a maioria dos "descarregadores de surto" tem pouca ou nenhuma filtragem; somente os modelos de luxo, especificados para incluir filtros de interferência de RF e ruído, têm capacidade de ser realmente eficientes. Soluções mais sofisticadas contra interferência nas linhas de alimentação AC incluem transformadores de isolamento, condicionadores de potência e certos tipos de sistemas de alimentação sem interrupção (unidades UPS ou no-break).

Retornar ao sumário